Pixo feminista

Pixo é algo genial mesmo!

E alguns brasileiros subversivos estão mostrando pra galera o que é arte. Não basta ter técnica – aliás, técnica sequer importa. Arte é aquela coisa incontrolável, espontânea, viva e fluida. E tá aí o recado: não se controla o incontrolável.

A rua não pede permissão pra falar, ela toma o que é seu sem pedir licença. Sensação boa perceber que existe arte inovadora, que não se submete, que desafia e incomoda. E o melhor de tudo: geração espontânea brasileira, formando verdadeiras zonas autônomas temporárias (tô falando da TAZ mesmo, aquela coisa sem hierarquia, sem controle, que apenas acontece e não tem nenhuma pretensão de se institucionalizar).

A historinha que vou contar, e que aconteceu em Berlim, é tão icônica que provavelmente eu ainda a conte para meus futuros filhos como a  história de ninar mais amor do mundo: uma vez convidaram um grupo de pixadores brasileiros para ir a Berlim ensinar qualé que era do pixo. Eles foram lá e simplesmente invadiram o espaço e pixaram tudo. Os alemães piraram e exigiram que os pixadores se limitassem ao seu espaço predefinido, provavelmente dizendo algo do tipo ~recolham-se ao seu lugar~ (a galera da arte bonitinha e limpinha queria controlar e possuir o pixo do jeito mais indolor possível, e ainda passando a imagem de avant-garde). Só que o pixo não pode ser simplesmente controlado e enquadrado num museu sob uma moldura bonita. O pixo não respeita castas. No final, os pixadores ensinaram o que é arte: aquela coisa absurdamente humana que invade e incomoda para libertar, que não tá ali pra ser bonito e agradar.

Moral da história: durmam bem e acordem amanhã pra incomodar muito. Não existe controle forte o suficiente que consiga sufocar a vida. Deixem ser e se deixem ser, sem departamentos, sem regras, sem caixas.

Pra lembrar, há ainda muito mais a ser dito e libertado pelo pixo feminista, das mina que desafiam a hostilidade patriarcal das ruas:

1

2

3

4

5

6

8

7

Mas esta historinha, crianças, eu conto um outro dia.

 

Por Bruna Paludo
Imagens: @cdmj_gram  – siga-nos!

Comments

Comentários