Estamos cansadas de nós mesmas?

Eu vejo feministas o tempo todo dizendo como o feminismo na internet se tornou um ambiente tóxico. E essa reclamação vem de todos os lados, vertentes e etc. O lance é: estamos cansadas de nós mesmas.

Também vejo muitas dizendo que não comentam em posts porque só recebem pedras e tretas. Ou então, inúmeros posts que criticam algo fazendo a mesma coisa naquela publicação. Principalmente quando se trata de indiretas.

Falando em indiretas, parece que toda feminista por aqui vive na dúvida se o post de ciclana é uma indireta pra ela. E aí eu penso, será que a gente acha que fazem tanta indireta pra gente porque nós também fazemos indiretas?

Eu comentei em dois posts agora há pouco discordando de uma mina que leio sempre o que escreve, mas não sou lá muito próxima. E ai já veio aquela ansiedade toda. “Não deveria ter comentado, não quero treta”. Mas fico dentro de mim tentando equalizar as coisas. “Oras, se a gente não fala o que pensa, se não discorda, como muda alguma coisa?”.

Eu sempre parto do princípio de que alguém pode me mostrar um ponto de vista que eu não tive acesso. Mas a gente não consegue ouvir quem só nos ataca, né? É meio difícil reconhecer que se pisou na bola quando você é ridicularizada porque não teve o mesmo insight. Quando isso rola a gente só quer se proteger mesmo.

Esse post tem finalidade nenhuma, é como se fosse uma das minhas divagações intermináveis que o Rodrigo ouve diariamente. Uma vez ele dormiu e eu continuei falando sozinha pra não perder o raciocínio. Falar assim me ajuda a organizar as coisas dentro de mim. Por isso posto tanto desde que passei a morar sozinha. Eu só quero conversar com quem tá a fim, mesmo discordando. Pensando bem, essa é a finalidade do post, trocar ideia.

Mas o lance é: será que a gente só recebe pedra porque é só isso que temos oferecido nos últimos tempos?

Por Aline Ramos
Imagem destacada: detalhe de Duas Mulheres Cansadas, de Ernst Neuschul

Comments

Comentários