LIBRAS: Língua Brasileira de Sinais

Importante: Libras é Língua Brasileira de Sinais e não linguagem brasileira de sinais. É a segunda língua oficial do Brasil.

Não existe surdo mudo. Existe surdo. Ponto. Surdo fala, as pessoas que normalmente não falam a língua dele.

Entretanto, nem todo surdo ou surda é usuário ou usuária de Libras. Já viu brasileiro que não fala português? Americano que não fala inglês? Eu já. São pessoas que tem a nacionalidade mas não tem a língua como materna. A surdez é múltipla e existem surdos oralizados, que precisam de áudiodescrição, as famosas legendas.

A surdez é uma realidade mundial. As estimativas da OMS são aterrorizantes e isso é devido aos fones de ouvido, entre outros fatores (acham legais os proibidões e pancadões?! Repensem sobre a perda auditiva). Não temos dados oficiais e atualizados no Brasil.

A profissão de intérprete de Libras não é regulamentada mas há um projeto de lei no Congresso (salvo engano de autoria da Maria do Rosário).

Por lei, toda instituição pública deve ter intérprete de Libras. Acredite se quiser mas, em São Paulo, Janio Quadros sancionou uma lei estadual com esta obrigação quando era governador.

Surdos falam. Nós é que não falamos sua língua.

Nada impede um surdo ou uma surda de terem uma vida normal. Entretanto, 26 países não permitem que surdos dirijam automóveis e/ou motocicletas. No Brasil, apesar de não haver uma restrição legal, os Detrans e Ciretrans não possuem intérpretes. A normativa também impede que ninguém além do examinador e do futuro condutor entre no carro. Por isso, surdos têm dificuldade em passar no exame prático já que o examinador pede para virar à esquerda mas eles não escutam. Minha gratidão profunda ao Paulo Reis, que fez o Estado de São Paulo ser a única unidade da federação a ter intérpretes.

Não é perigoso surdo dirigir: há aparelhos que convertem os ruídos em sinais visuais, com cores, etc.

Teoricamente, por instituição pública compreende-se o Judiciário mas nem todos órgãos têm algum preparo. Por isso, oficiais de justiça não conseguem citar réus já que tocam a campainha- isso é sério. Até onde sei, a Polícia Federal na Ugo D’Antolla, na Lapa, tem intérprete. Em fóruns é possível ser voluntário ou voluntária.

Libras não é apenas falada com as mãos e a escrita é com os verbos no infinitivo. Por isso, a acessibilidade da língua deve também compreender a escrita. A primeira dama foi ridicularizada quando sugeriu a tradução da Bíblia para Libras, o que é necessário já que não há a versão nesta língua. A Bíblia em português é diferente da de Libras.

A Libras não foi inventada ontem embora tenha sido reconhecida oficialmente no governo Dilma. O imperador Dom Pedro II tinha um neto surdo e trouxe um professor francês para ajudar a criança. Por esta razão o Instituto Nacional dos Surdos (INES) é uma instituição centenária localizada do Rio de Janeiro.

Apesar de ter alguns sinais semelhantes com a Língua de Sinais Francesas, Libras é diferente. Outro aspecto importante: se comunicar em Libras não significa que você utilizará o idioma em Portugal ou Angola, por exemplo. Cada país têm sua língua de sinais e o mesmo se aplica aos países de língua francesa (a do Canadá difere da do Congo e da Bélgica), como de língua inglesa ou espanhola.

Surdos e surdas são constantemente humilhados e humilhadas, constrangidos e constrangidas. As famílias sofrem com o preconceito. Crianças têm toda a sorte de experiência com rejeição da sociedade. Digo e repito: são pessoas normais. A surdez não impede ninguém de se comunicar.

A sociedade inviabiliza a acessibilidade ao invisibilizar a surdez. A realidade é que há muito desconhecimento sobre a questão, principalmente no que tange à prevenção. Acho ruim falar mal ou criticar o que não sabem. Idem os falsos elogios. Para mim, é a clara demonstração de que Roberto estava certo e todos estão surdos para a surdez.

Por Ivy Farias
Imagem destacada: Alfabeto LIBRAS

Comments

Comentários