Quadrinhos com tons de feminismo? SIM!

Além de ter traduzido (e comentado!) uma lista de 14 Quadrinhos que as mulheres deveriam ler, originalmente publicada na Cosmopolitan e devidamente reproduzida aqui na #CDMJ, a colaboradora Beatriz Demboski Burigo -fã incondicional e consumidora voraz de HQ – nos presenteou com uma lista bônus com mais 12 títulos que têm sabor de feminismo. IMPERDÍVEL.

Esta é uma lista dos quadrinhos que eu indico como essenciais para boas leituras a partir de mulheres e, principalmente, sobre mulheres.

1) Essa Bunch É um Amor, Por Aline Kominsky-Crumb

19

Lançada pela Conrad no Brasil, Kominsky viveu toda a era de contra-cultura que seu marido Crumb também viveu. Com um quadrinho sincero, autobiográfico e com seu traço infantil, além de ser uma leitura muito divertida, é muito empática quanto ao desenvolvimento do sexo feminino, e expectativas para com ele, no mundo ocidental.

2) Hora de Aventura

20

21
“Você vai ser meu café da manhã, baby. Você vai ser meu lanche”, esse é um trecho do single das Rainhas do Grito, banda liderada por Marceline Rainha dos Vampiros, chamado “Meninos para o café da manhã”. Me surpreendi muito quando a Panini lançou aqui no Brasil esses quadrinhos muito fofos com histórias paralelas do desenho Hora de Aventura, que são muito divertidas e engraçadas, e para ser ainda mais legal, o projeto é feito com diversas mulheres roteiristas e desenhistas. Os dois volumes que já existem por aqui são bem baratinhos e valem muito a pena!

3) Garota Siririca, Por LoveLove6

22

Tenho vergonha de não conseguir acrescentar nesta lista mais autoras de quadrinhos brasileiras, pois sei que existem muitas. Porém, me orgulho de ter financiado coletivamente e de indicar esta daqui. A Garota Siririca é demais ao tratar de sexualidade e humor pelo ponto de vista de um corpo feminino. LoveLove6 começou com um webcomics e ganhou o coração de muita gente.

4) Zine XXX

23

Tá aqui minha outra indicação brasileira: o projeto Zine XXX. Foi lindo de ver o movimento de mulheres para concretizar um zine em 5 volumes, com quadrinistas com os estilos mais variados. Para mergulhar neste mundo dos quadrinhos, pelo menos conhecer este grupo que ainda existe através das redes sociais, é pré-requisito.

5) Sex Criminals, por Matt Fraction e Chip Zdarsky

24

Falar sobre a sinopse de Sex Criminals é um tanto quanto engraçado, uma garota que ao atingir o orgasmo pára o tempo, congela tudo, mas continua andando por aí no mundo que chama de “The Quiet”. Só lendo mesmo para compreender e perceber como a protagonista da história amadurece com sua sexualidade e seus relacionamentos amorosos. A série vai ser lançada no Brasil pela Devir, então fiquemos ligadas.

6) Apocalipse, por favor, por Felipe Parucci

25

Também financiado coletivamente e também brasileiro, este quadrinho é uma das minhas paixões mais recentes. Incrível como Parucci nos mostra dramas e tramas da juventude contemporânea, provando que somos muito iguais nas nossas diferenças e crises. Além do mais, quando ele conta a história de uma das personagens principais me encanta a sensibilidade ao falar sobre a pressão social a qual submetemos as jovens mulheres. Recomendadíssimo.

7) Kick-Ass, por Mark Millar e John Romita Jr

26

A história de Kick-Ass, que inclusive também virou filme, não é das mais legais e interessantes. Porém, foi ela que nos apresentou uma das personagens e heroínas mais incríveis do mundo nerd, a famosa Hit-Girl. Uma criança com incríveis habilidades, que coloca qualquer homem pra correr, uma inspiração! Ela ganhou uma série de quadrinhos própria, mas a aparição dela no Kick-Ass é sensacional.

8) Y, o último homem, por Brian K. Vaughan

27

Do mesmo autor de Saga, esta história também é do tipo criativo e empolgante. Em um mundo em que todos os homens morrem sem explicação, sobrevivendo apenas um jovem e seu amigo macaco, acompanhamos a sua aventura tentando descobrir o que aconteceu. Ao mesmo tempo, conhecemos mulheres de todos os tipos, crenças, ideais, morais e éticas, que também estão tentando descobrir o que aconteceu ou estão apenas se adaptando ao novo planeta. No Brasil a série é publicada pela Panini.

9) Preacher, por Garth Ennis e Steve Dillon

28

Com incríveis diálogos sobre feminismo e a constante luta de Tulipa para demonstrar que é forte o bastante, principalmente quando os homens tentam diminuí-la, Preacher para mim se torna muito importante por inserir nos anos 90 esta personagem feminina. Ainda mais quando sabemos como normalmente é a indústria dos quadrinhos em relação às mulheres. Aqui a série é lançada pela Panini. Em breve também virará um seriado, espero que a Tulipa seja representada como nas revistas.

10) Black Hole, por Charles Burns

30

Esta história não é sobre mulheres, com uma ficção bem incrementada faz uma metáfora bela e assustadora sobre a epidemia de AIDS que se espalhou pelos jovens americanos nos anos 80. Acompanhando uma garota adolescente que precisa enfrentar as responsabilidades de uma vida sexualmente ativa, compartilhamos das angustias e sentimentos multiplicados pela sexualidade. Infelizmente aqui pelo Brasil os dois volumes estão em falta, restando disponível apenas a versão em inglês.

11) Pagando por Sexo, por Chester Brown

31

Chester Brown é incrível escrevendo autobiografia, mas não é por isso que este livro é tão importante. Pisando em territórios perigosos, o autor busca discutir aqui o tema tão controverso que é a prostituição. Os anexos no final do livro explicam muito bem, e até academicamente, onde ele quis chegar ao contar uma por uma todas as experiências que teve com prostitutas. Para o debate, este quadrinho é um desafio interessante. Lançado por aqui pela Martins Fontes.

12) Something New, por Lucy Knisley

32

Com lançamento marcado para dia 3 de maio (ainda não no Brasil) acredito que esse livro nos trará coisas boas. Esbarrei com Lucy Knisley na internet não faz muito tempo, mas já me encantei pelas histórias curtas que ela mantém em seu site/blog. Essa é para quem curte ler em inglês, uma das últimas histórias – e uma das melhores – é essa, onde ela conta que está grávida e provavelmente não poderá fazer uma turnê de lançamento de seu livro, muito legal e engraçada!

Imagem destacada: tirada diretamente da página de Facebook da Garota Siririca.

Comments

Comentários